Edição nº 28, outubro de 2008
 
Mundo

A derrocada dos bancos americanos e seus efeitos no mundo

A queda dos gigantescos bancos hipotecários e de investimento americanos e de alguns europeus acelera o declínio do dólar e põe em xeque a hegemonia americana. Na Ásia bancos só balançaram; nenhum caiu. No Brasil, os bancos jogaram os riscos para as empresas e algumas vão quebrar.

O terremoto financeiro americano já derrubou seis de seus grandes bancos de financiamento habitacional, três dos cinco maiores bancos de investimento e sua maior seguradora. Seis gigantes sumiram do mapa, engolidos por outros bancos. Quatro foram estatizados. Um cenário desolador com prejuízos de US$ 200 bilhões a cidadãos e bancos comerciais, pânico e perda de confiança no sistema financeiro. Tentando estancar uma corrida generalizada a bancos, o governo Bush elevou de US$ 100 mil para US$ 250 mil a garantia para depósitos pessoais e já fala em mais estatizações1.

Os bancos de investimento americanos eram os reis da selva financeira, sugando e reaplicando milhões de todo o mundo, de bilionários, de outros bancos, de fundos de pensão. Os únicos sobreviventes, o Goldman Sachs e o Morgan Stanley, ficaram tão mal que o governo autorizou sua transformação em conglomerado financeiro, forma disfarçada de permitir que tenham acesso a linhas de crédito do FED2.

O terremoto atingiu com intensidade o mercado financeiro londrino, o mais importante da Europa e o mais ligado ao sistema financeiro americano, reverberando no continente, embora a Inglaterra não tenha aderido ao euro. A economia da Inglaterra já estava deprimido, com queda de quase 30% nos valor dos imóveis desde janeiro. Além da estatização parcial do grande banco hipotecário Bradford & Bingley e venda de suas agências ao Santander, numa operação de € 733 milhões, outro banco de financiamento da habitação, o HBOS, foi absorvido pelo Lloyds TBS por cerca de US$ 20 bilhões.

Quando rumores de quebra atacaram o Stanley Morgan-Chase nos Estados Unidos e o Banco Real da Escócia, a Europa entrou em pânico. As ações dos principais bancos ingleses desabaram e o governo anunciou o pacote de salvamento maior que o de Bush, e com mais ênfase na estatização parcial dos bancos: 3O pacote destina £ 50 bilhões (cerca de 90 bilhões de dólares) à compra de ações de bancos, ou seja estatização parcial, £ 200 bilhões a empréstimos aos bancos, e mais £ 250 bilhões para garantia de empréstimos de curto e longo prazo.

Antes, a onda de choque já havia derrubado bancos isolados do norte e do centro da Europa metidos na especulação com o mercado imobiliário e com os fundos do Merril Lynch e do Lehman. A pequena Islândia estatizou todos os seus três bancos: o Glitnir, o Kaupthing e o Landsbanki Islands. Estima-se que 300 mil ingleses aplicavam pela internet no banco virtual do Landsbanki, chamado Icesave.

Na Holanda quebrou o grande banco de investimento Fortis, de atuação mundial, na Alemanha quebrou o hipotecário Hypo Real State e na Bélgica o franco-belga Dexia. Os três estão em processo de estatização ou absorção parciais4. Embora pesadas, essas quebras não haviam abalado o sistema financeiro europeu, reforçado semanas antes por algumas injeções do Banco Central europeu, e as medidas de cada governo foram tomadas em separado. A proposta de Sarkozy de criar um fundo conjunto europeu de salvamento foi barrada pela chanceler alemã, Angela Merkel.

Mas depois do tremor do Real Banco da Escócia, governos europeus entraram em pânico. Acharam que a onda de choque havia mudado de direção e coordenaram cortes generalizados nas taxas de juros, e novas injeções no sistema financeiro, além de novos pacotes de salvamento em vários países. A filosofia geral das intervenções na Europa tem sido injetar o máximo possível de liquidez no mercado e estatizar o mínimo necessário para salvar o sistema5.

Até agora, nenhum banco quebrou no cinturão mediterrâneo da Espanha, Portugal, Itália e Grécia, assim como nenhum banco suíço6 . Houve fusões preventivas. Na Dinamarca, o Banco de Roskilde foi absorvido por outros bancos do país e da Suécia. Na França, a financeira do grupo Rotschild vendeu 20% de suas ações ao Banco da China e dois dos principais bancos mútuos (em que os clientes são também acionistas), o Caísse d'Épargne e o Banque Populaire, decidiram fundir-se, frente à tormenta que os balançava. Essa fusão cria o segundo maior grupo bancário francês.

Espanha e Itália anunciaram a criação de fundos de emergência para comprar ações de bancos. Na Espanha o prejuízo total dos bancos com papéis americanos foi estimado entre € 1 bilhão e € 2,5 bilhões, facilmente assimiláveis pelo sistema bancário. O Santander deve amargar € 500 milhões em perdas com papéis do Lehman, que pode tirar de letra, graças inclusive aos lucros fabulosos que obtém no Brasil. E mais: está aproveitando a crise para crescer, comprando fatias do Bradford & Bingley Stanley. Os demais bancos espanhóis perderam quantias menores.

Na Rússia, agora capitalista mas com um sistema bancário ainda frágil, o governo antecipou-se, estatizando os bancos Svyaz Bank e Kit Finance de São Petersburgo e injetando em duas etapas o equivalente a US$ 57 bilhões no mercado financeiro para dar liquidez (US$ 20 bilhões e depois mais US$ 37 bilhões). Putin sentiu-se suficientemente forte para diagnosticar que a liderança econômica dos Estados Unidos ficou “arruinada para sempre”. Acusou o governo americano de incapaz. E num ousado movimento em separado o governo russo convidou as potências mundiais a discutir um tratado que proíba o uso da força nas relações internacionais.

Na Ásia e no Oriente Médio, a onda de choque chegou bem arrefecida. Bancos amargaram prejuízos, mas nenhum quebrou nesta fase. Corridas a um banco na Índia e outro em Hong Kong foram estancadas com facilidade. O grupo indiano Tata aproveitou a crise para abocanhar por US$ 505 milhões uma unidade financeira local do grupo americano Citicorp.

O maior banco da China, o Industrial and Commercial Bank (ICBC), tinha US$ 158 milhões em bônus do Lehman, e outro banco, o China Merchants Bank tinha US$ 70 milhões. O governo chinês entrou comprando no mercado de ações, cancelou uma taxa sobre transações em bolsa e criou uma linha de financiamento de exportações para pequenas empresas.

Na Austrália, praticamente todos os bancos vão perder, mas o prejuízo total estimado em US$ 800 milhões com a quebra da AIG e mais US$ 500 milhões com a do Lehman são facilmente absorvíveis. Representam apenas 0,9% dos US$ 130 bilhões do patrimônio dos bancos envolvidos e menos de 5% dos seus lucros do ano passado7. Todos estão chiando porque querem abocanhar recursos de um Fundo Futuro, criado pelo governo para financiar aumentos do funcionalismo.

No Japão a exposição total dos bancos foi estimada em pouco mais de US$ 2 bilhões, dos quais US$ 1,2 pelo Mitsubishi, US$ 463 milhões pelo Aozora Bank e US$ 382 milhões pelo Mizuho Bank. Tudo facilmente absorvível pela banca japonesa, com a ajuda do Banco Central, que injetou US$ 200 bilhões no sistema até o final de setembro.

Assim como o Santander espanhol, o Mitsubishi, apesar do seu próprio prejuízo, aproveitou a crise para comprar 21% das ações do grande banco americano Morgan Stanley (não confundir com o J.P. Morgan Chase).

O Brasil na crise

Salvou-nos até agora de crise maior o fato de os bancos comerciais no Brasil não serem financiadores de investimentos pesados e projetos de longo prazo. E a demora na abertura do mercado de seguros do Brasil ao capital estrangeiro. E a não adesão à Alca.

Em países mais receptores do que emissores de investimentos especulativos ou com economias em crescimento, como Chile, Argentina, Uruguai e África do Sul, não foram informados prejuízos importantes em bancos até agora. No Brasil há apenas a notícia do fechamento preventivo da financeira do banco Credibel, voltada a financiamentos de automóveis, e o fechamento, inclusive para saques, do GWI-FI, um fundo muito exclusivo, de pouca gente, que sistematicamente rendia mais que os outros.

Acontece que o juro que o nosso Tesouro paga por seus papéis, de 13,7% ao ano, é tão sedutor que permite sem nenhum risco o retorno em um mês do que lá fora levaria um ano. Mas alguns bancos mais agressivos, brasileiros ricos e até empresas podem ter aplicado no Brasil através de uma triangulação via fundos de investimento de fora, já que o imposto de renda é isento para investidores estrangeiros8. Se os bancos estrangeiros gestores desses fundos quebrarem vai dar prejuízo aqui.

Os bancos brasileiros negam ou não revelam envolvimento com títulos dos bancos americanos. Uma exceção é a sociedade entre o Unibanco e a AIG formando uma empresa de “private equity”, ou seja, criada para investir em projetos empresariais. Mas a decisão do Banco Central de liberar parte do depósito compulsório dos bancos desde que o dinheiro seja aplicado na compra de carteiras de título de bancos pequenos denota que há dificuldades entre pequenos bancos.

A principal conseqüência da crise entre nós tem sido o grande prejuízo de algumas empresas que se deixaram seduzir por um novo “derivativo”, inventado pelos bancos, quando o Banco Central começou a baixar a taxa Selic em 2007. Por esse derivativo, eles ofereciam a empresas empréstimo a um juro abaixo da média do mercado, e em troca a empresa se comprometia a pagar um juro maior, se a cotação do dólar ultrapassasse determinado valor. Com isso, o banco se protegia contra uma alta do dólar, já que os empréstimos eram captados lá fora e teriam de ser devolvidos pelo banco em dólar.

Esse derivativo nada mais era do que um hedge cambial (proteção contra variações na taxa do dólar), para as operações de empréstimo dos bancos fundeadas em dólar. Mas o esquema era apresentado de modo tão complexo e sedutor que diretores financeiros de empresas pensaram que a proteção cambial era da empresa. A Sadia perdeu R$ 760 milhões, a Aracruz perdeu R$ 1,9 bilhão. Como cada banco sabe para quem vendeu o derivativo, mas não para quem o outro banco vendeu, e há desconfiança de que várias empresas se ferraram com esse derivativo, todos pararam de emprestar.

Também ficou mais difícil renovar os adiantamentos de crédito para exportação (ACC), obtidos com recursos externos. Por isso o governo reagiu injetando R$ 75 bilhões no mercado, somadas todas as suas iniciativas de reforço do capital do BNDES e redução do compulsório de bancos que se dispuserem a assumir carteiras de financiamento de bancos menores. Salvou-nos até agora de uma crise maior o fato de os bancos comerciais no Brasil não serem financiadores de investimentos pesados e projetos de longo prazo, cabendo esse papel aos bancos estatais, em especial BNDES. E também nos salvou a demora na abertura do mercado de seguros do Brasil ao capital estrangeiro e a não adesão à Alca.

Muitos analistas endossam a tese da chanceler alemã, de que “os Estados Unidos perderão seu status de superpotência do sistema financeiro mundial” . Robert Kurz antevê o fim dos EUA como potência mundial e o enfraquecimento do dólar como moeda mundial de troca. Além do terremoto, o PIB americano, de US$ 16 trilhões, já foi ultrapassado pelo Europeu, que está em US$ 17 trilhões. Desde que se mantenha coesa politicamente, a União Européia é hoje a potência econômica mundial, e muito menos complicada por contradições, déficits impagáveis e guerras insustentáveis. A parte européia que mais se estressou foi a mais ligada à economia americana.

Bernardo Kucinski, 9/10/2008

Notas
1 - Um dos maiores prejuízos já anunciados foi o de US$ 15,7 bilhões do Morgan Stanley, embora isso signifique apenas 2% de seu patrimônio estimado em US$ 786 bilhões.

2 - A quebra do primeiro banco, o Coutry Wide, em janeiro, passou despercebida. Mas ao quebrar o grande banco de investimentos Bearn Sterns, em março, o FED teve de persuadir o J.P. Morgan, em menos de 12 horas, a comprar o que sobrou do banco, antes que abrissem os mercados asiáticos. Em julho foi preciso estatizar o IndyMac, maior banco hipotecário de Los Angeles e o sétimo maior dos Estados Unidos. A crise estava começando.
Setembro foi o mês do pânico. O Lehman Brothers faliu, mesmo vendendo parte de suas operações nos Estados Unidos ao Barclay e as da Europa e Ásia ao Nomura Holdings. O Merryl Linch foi engolido pelo Bank of America, mais uma vez com a ajuda do FED. E ruíram as megafinanciadoras da habitação Fannie Mae e Freddie Mac, estatizadas com a injeção de US$ 200 bilhões. Em seguida, quebrou a maior seguradora americana e mundial, a American International Group Inc (AIG), também comprada pelo governo americano e vitaminada com US$ 85 bilhões.
No final do mês desabou o Washington Mutual Fund, sexto maior banco americano, tradicional instituição de poupança e empréstimo fundada em 1889. Foi a maior quebra de um banco comercial americano desde o colapso do Continental Illinois em 1984. Mais uma operação de emergência do FED, com a instituição comprada pelo J.P. Morgan Chase, por US$ 1,9 billhão. O último a cair foi o Wachovia, quarta maior holding bancária americana, um impressionante conglomerado financeiro com sede na Carolina do Norte e 15 milhões de clientes. Deve ser engolido pelo Wells Fargo, depois de o Citi ter oferecido apenas US$ 1 por ação, que na semana anterior valia cem vezes isso.

3 - As ações do RBS caíram 39%, as do Lloyds 13%, e as do Barclays 9%.

4 - O Fortis foi parcialmente estatizado pelo da Holanda. O Real Estate teve de ser reforçado com € bilhões do governo alemão e de um consórcio de bancos privados. Governos da França e Bélgica injetaram US$ 9,6 bilhões para manter de pé o Dexia.

5 - Austrália e Emiratos cortaram 1 ponto, Suécia, Suíça, França, Grã-Bretanha, Estados Unidos e Hong Kong e o Banco Central Europeu cortaram 0,5 ponto da taxa básica de juros, a China cortou 0,75 e o Canadá 0,25.

6 - O UBS ( União dos Bancos Suíços) admitiu perdas que podem chegar a € 44 milhões, mas já separou 27,9 milhões em provisão para cobrir prejuízos.

7 - O três grandes, ANZ,National Austrlian Bank e West Bank estão expostos em cerca de US$ 250 milhões cada. Os demais bancos estão expostos em quantiasm menores.

8 - É o que pode explicar, além das perdas em bolsa, as retiradas em massa dos fundos de investimentos brasileiros dos megaespeculadores, Luis Fernando Figueiredo, Luiz Carlos Mendonça de Barros e Ilan Goldfajn, todos ex-diretores do BC ou ex- ministros. O patrimônio do Fundo Mauá do Figueiredo virou pó, caindo de R$ 1,7 bilhão para R$ 192 milhões, o do Mendonça de Barros o mesmo: de R$ 1,8 bilhão para R$ 269 milhões e o do Goldfajn encolheu em um terço, de R$ de 364 milhões para R$ 207 milhões. Safou apenas o fundo Gávea, do Armínio Fraga, ex- presidente do BC.