Edição nº 35, maio de 2009
 
Cartas

Cultura
Cada edição é uma aula de cultura. Logo nas páginas iniciais, Mauro Santayana. A entrevista com Lázaro Ramos é ótima. Também sou ator e sinto as dificuldades do ofício. Cada vez mais fico impressionado com as reportagens de viagem, como a sobre Botero e suas pinturas. Sem contar as leituras sobre diversidade no cinema, música, comportamento e sem papas na língua quando precisa cutucar a política.
Kimm Gomes, S.B. do Campo (SP)
kimmgomes@ig.com.br

Em transe
Em nome da Prefeitura de Piraí (RJ), transmito os agradecimentos pelas referências elogiosas na reportagem “Vento de redemoinho” (“Em Transe”, ed. 34). No mês de maio, a cidade de Piraí distribuirá, com ajuda do governo do estado, notebooks a todos os alunos e professores da rede municipal de ensino. Será a primeira no mundo. Piraí hoje é referência no estado, principalmente nas áreas de saúde e educação.

Vicente Senna, Divisão de Comunicação Social da Prefeitura Municipal de Piraí (RJ)
Gostei muito da reportagem “O presente da música” (“Em Transe”, ed. 33). Ela nos trouxe, com imparcialidade, uma realidade que põe em discussão o que é legal ou não com a chegada do sistema digital. O autor traz o lado ruim, lados bons e dicas para baixar MP3 sem culpa. Acessei na internet o livro O Futuro da Música depois da Morte do CD, que tem conteúdo indispensável para músicos ou amantes da música. Acredito que o legal termina quando se utiliza do formato para se beneficiar em vez de beneficiar a música através do formato.
Valdemir da Silva Lucio, Diadema (SP)
valdemirsl@yahoo.com.br

As dicas de “Em Transe” são oportunas. Espero vê-las sempre nesta revista. Publiquei os links em aabaca.blogspot.com, para que nossos leitores possam visitar os sites.
José Guimarães, Pouso Alegre (MG)
joseguimaraes@joseguimaraes.com

Santayana
Achei muito bom o “Ponto de Vista” de Mauro Santayana (A reconstrução do mundo, ed. 34). Destaco as passagens que mencionam o cristianismo como “maior revolução da História” e que “a Igreja se perverteu na opulência e nos desmandos dos papas”. Peço vênia ao articulista para vincular a perversão da Igreja à cristianização de Constantino Magno e à adoção por ele do cristianismo como a religião oficial do Império Romano do Oriente, com sede em Constantinopla. A perversão se deu com a transformação da igreja doméstica na “Basílica” (Casa do Rei), quando deixou de ser a Igreja a serviço da salvação do rebanho e se transformou na Igreja do Poder Real.
Geraldo F. Monção, Belo Horizonte (MG)
geraldofmoncao@hotmail.com

Os ensinamentos de Mauro Santayana nos enriquecem, compilando história, geografia, antropologia, como no artigo “A hora de ficar em casa” (ed. 33). Após uma abrangente lição, ele termina o artigo com frases de ouro como “o Brasil é grande e de suficientes recursos naturais que permitem vida digna a todos os seus”, e “mas nenhum projeto caminhará se os trabalhadores estiverem ausentes do processo”.
Cacilda Monteiro Gomes, Macaé (RJ)
dagagomes@terra.com.br

Crônicas
Tenho 16 anos e comecei a ler a Revista do Brasil há alguns meses. Gosto muito da seção “Crônica”, pois a cada edição aparece uma melhor. Aliás, todas as demais reportagens também são ótimas, parabéns a todos.
Rodolfo Morais, S.B. do Campo (SP)
rodolfoandrade0@hotmail.com